quarta-feira, 14 de junho de 2017

Ladrão




Quisera roubar-te para minha noite.
Mas minha noite não é minha.
Nem eu sou ladrão.
O que resta é sonhar.
Mas nem a insônia é minha.
Nem eu, sonhador...


quarta-feira, 31 de maio de 2017

Pane




O motor parou.
O relógio parou.
O coração parou.
A vida em pane.



Diagnóstico



Procuram-se almas.
A dor em radiografia.
Contrastes.
Positivo e negativo.
Pólos iguais se repelem.
Procuram-se palavras.
Não há explicação.
A dor em transparência.
Partida e abandono.
O cadeado e a memória.
Procuram-se caminhos.
A dor em diagnóstico.
Sístole e diástole.
O resgate sem sequestro.
O morto. A ida. O resto.


Antes que maio acabe




O luto incansável.
O cansaço sem luta.
A vazão desmedida.
A canção intocável.




quarta-feira, 24 de maio de 2017

Manchester é aqui




Manchester é aqui.

Os terroristas do ataque à Arena Manchester são iguais aos terroristas do Estádio Nacional Mané Garrincha. O que os une é o princípio do terror: a covardia.

Há diferenças. 

Os terroristas de Manchester são alopatas. Atacam pelas consequências, em nome de uma causa. Não se importam com a auto-imolação e eliminam indefesos e inocentes sem se preocuparem se vão - e devem ir - para o inferno. Não têm um rosto, não têm personalidade.

Os terroristas do Mané Garrincha são homeopatas. Atacam as causas independentemente das consequências. Não se auto-imolam pois a covardia é extrema. Igual aos seus pares estrangeiros, matam inocentes sem se preocuparem se vão - e devem ir - para o inferno. Só que aos poucos, no dia-a-dia, ininterruptamente. Nas filas dos hospitais, por balas perdidas, na escola que não existe, na falência múltipla do Estado por corrupção, roubo, furto, assalto, prevaricação, cobiça, ignomínia. São presidentes, governadores, empresários, senadores, ministros, banqueiros, deputados, executivos, secretários, sindicalistas, "operadores", prefeitos, doutores, excelências, cambistas, ladrões, falsários, comandantes e comandados; terroristas, enfim. Têm RG, CPF, CNPJ, não têm limites.

Os terroristas da Arena Manchester e os terroristas do Mané Garrincha exterminam homens, mulheres, crianças, velhos, adolescentes, nascituros. Aniquilam famílias, vidas, sonhos, carreiras, esperanças, o presente e o futuro. Eles não podem vencer.


terça-feira, 16 de maio de 2017

Da noite sem graça



Noite de poucas palavras.
Noite de pouca poesia.
Pensamentos soltos.
Lembranças tristes.
Fáceis adjetivos e
poucos versos de ação.
Noite sem graça,
talvez até sem lua
-- tão perto a janela,
tão longo o salto.
Noite sem esperanças
-- noite desesperada? --,
com um frio que não congela 
e um suor incapaz de molhar.
Noite sem pecado nem solidão.
A porta trancada.
O cachorro quieto.
A vida sem óculos.



domingo, 14 de maio de 2017

Preto&Branco



Foi um amor antigo
Foi um amor preto&branco
Foi um amor analógico
Foi um amor revelado
Foi um amor de laboratório
Foi um amor provisório
Foi um amor tão passado
Foi um amor tão perdido