quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Tempos




De novo, renovação

Refazimento, reinvenção

Não me importa o tempo

Não me impressiona o passado

Vale apenas a nova impressão:

Imprimo em mim mesmo

A doce etiqueta

- REINVENTADO -



terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Da dor




A dor é fria. Falta. Feia. A dor é muita.
A dor é seca. Sacra. Cepa. A dor é tanta.
A dor é forte. Fica. Farta. A dor é santa.
A dor é faca. Finca. Fura. A dor é sangue.
A dor é veia. Vaso. Via. A dor espalha.
A dor é toda. Tesa. Seca. A dor espelha.
A dor é lava. Leva. Queima. A dor arrasta.
A dor é corda. Nó. Forca. A dor aperta.
A dor é rígida. Dura. Áspera. A dor arranha.
A dor é física. Pele. Nervos. A dor perpétua.
A dor é tanta. Tamanha. Tônica. A dor espanta.
A dor é peso. Pesa. Bate. A dor espanca.
A dor é surda. Grita. Vaga. A dor abafa.
A dor é muda.Vácuo. Nada. A dor silente.
A dor é vala. Funda. Fenda. A dor despenca.

A dor é morte. Fim. Fato. A dor acaba.


sábado, 26 de dezembro de 2009

2010


Uma odisséia: prever o ano que se aproxima.

Não me atrevo a tanto.

Ainda assim - e para não perder o atrevimento, que não sou homem de desperdiçar caminho -, vou fazer minha lista de desejos - e que no fundo são previsões do esperado.


Que 2010 nos traga:


1) Mais Justiça, com jota maiúsculo

2) Menos violência, sempre minúscula

3) Paz, maiúscula

4) Felicidade, acima de todas as coisas

5) Trabalho para todos

6) Desigualdades decrescentes

7) Respeito em todos os sentidos

8) Eleições limpas, políticos honestos (hummm... difícil essa...)

9) Ética sem necessidade de códigos

10) Liberdades de expressão, escolha, pensamento...

11) Consciência humana - primeiro teu próximo, depois teu planeta

12) Energia humana - cada um dando o melhor de si

13) Religiosidade humana - volta-te àquilo que acreditas ser divino

14) Humanidade - o resgate daquilo que somos

15) Inteligência nas nossas atitudes

16) Poesia nas nossas almas

17) Humor nas nossas jornadas

18) Romance nas nossas relações

19) Amor nas nossas vidas


Que 2010 seja um ano ímpar, ainda que par - prova de que até a matemática é mais flexído que qualquer duro e triste preconceito.