domingo, 30 de janeiro de 2011

surpresa



a surpresa
a não-rotina
o tempero
as delícias de ser
o toque
o arranhão
a lambida
as delícias de fazer
a língua (ai, a língua...)
as mãos
os olhos
as delícias de compor
o sabor
o cheiro
o calor
as delícias de sentir
o quente
o frio
o oposto
as delícias de arrepiar
o desejo
a vontade
a imaginação
as delícias de ousar...

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Das transgressões





Não bastasse o rito

Houvera o outro






Eram simples gestos

Era a penetração do olhar






Vazaram veias sem sangue

Vazou plasma sem vida






Romperam-se acordos

Rompeu um hímen decadente






Virgens enfileiraram-se numa

Trincheira fantasma






Espaços abertos

Seres abertos






Cirurgia e liturgia

Cortes e mortes






Glúteos e dentes

Mordida






Falos e dedos

Urdidos






Silêncio

Vida






Et cetera

...


.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Da morte

(Caderno de poezias)




I
Fui-me morrendo
a cada dia de vida
– não sem antes
olhar para trás
e encontrar
a poesia perdida...



II
Anteontem, aprendiz
Ontem, libertário
Hoje, cadáver
Amanhã, um belo epitáfio.

.

De lágrimas e de dores


De lágrimas e de dores,

de lamentos e de ais,

fazem-se amores e hai-kais...

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Santo hai-kai

(Caderno de poezias)



Jorge, Francisco, Judas e Bento.

Santo de casa faz milagre e,eu,

nem invento...

Mergulho

(Caderno de poezias)



As minhas profundezas
conheceram
a tua superfície:
descobri quão raso
e sem razão
o sentimento pode ser.

Não vale um samba,
nem um bolero,
muito menos um tango
em que o homem sofre,
na mão da fêmea,
– até o prazer,
ao menos até o prazer.

Um olhar sobre o tempo

(Caderno de poezias)




O tempo encara

O tempo observa

O tempo acompanha

O tempo persegue



O tempo julga

O tempo condena

O tempo absolve

O tempo sabe



O tempo grita

O tempo cala

O tempo fala

O tempo entende



O tempo corre

O tempo voa

O tempo passa

O tempo escorre



O tempo todo

O tempo nunca

O tempo mata

O tempo morre...


.
.

Das delícias

(Caderno de poezias)


a surpresa
a não-rotina
o tempero

as delícias de ser

o toque
o arranhão
a lambida

as delícias de fazer

a língua (ai, a língua...)
as mãos
os olhos

as delícias de compor

o sabor
o cheiro
o calor

as delícias de sentir

o quente
o frio
o oposto

as delícias de arrepiar

o desejo
a vontade
a imaginação

as delícias de ousar
...
..
.