segunda-feira, 2 de julho de 2012

do quadro





da tela do desespero
às tintas da agonia
o cansaço, a fuga, o medo
não pegam senha
entram pela fresta da alma
arranham as paredes do estômago
destilam bílis 
e provocam o rigor da autopiedade
que a garganta insiste em sufocar...

Nenhum comentário: