terça-feira, 3 de julho de 2012

manhã de inverno




nem frio
nem fogo
a cena é velha conhecida
um sol de pouco brilho
uma janela semiaberta
outra que se abre
e mais uma e mais outra
o dia acorda
uma mulher acorda
a vida acorda
café
creme dental
nudez
mudez
um despertador
uns pássaros
carros
olhos e ramelas
bocejos
espreguiçadas
movimento e vida
abre a cortina
passa o ar
arrepio
sorri a alma:
o espetáculo tem que continuar...



Nenhum comentário: