quarta-feira, 25 de março de 2015

Velhos muros


Velhos muros que pulamos.
Flertes de mistério com traço de molecagens.
Muros sem donos.
Sem arrimos.
Muros mensageiros com rasgos de nostalgia.
Do lado de cá, um erro e uma revolução.
Do lado de lá, morte e vida em alvenaria.
Velhos muros que pulamos.

Nenhum comentário: