segunda-feira, 27 de julho de 2015

A visita da poesia


visitas-me noturna
inesperada, às vezes inconveniente
nada frequente

visitas-me pálida
iluminada pelo luar provocante
da lua crescente

visitas-me alegre
atarantada, malemolente
e até mesmo sensual

visitas-me lúdica
camuflada em si mesma
inconsequente

visitas-me eterna
alucinada possivelmente
eternamente


Nenhum comentário: