domingo, 30 de agosto de 2015

Do firmamento cinza



Um sol apagado.
Uma estrela sem cor.
Uma língua morta.
Um poema calado.
Um arrependimento profundo.
Um hino inacabado.
Uma nuvem vazia.
Um ser ou não ser.
Uma razão para esquecer.
Um quadro na parede.
Que triste.
Que frágil. 
Que fim.

Nenhum comentário: