domingo, 30 de agosto de 2015

Do labirinto




Que caminhos são esses?
Que espaços? Que feridas?
Que dores estilhaçam a rua?
Que medos restaram da tua alforria?
As chagas viraram escamas.
És um homem-peixe.
Tua respiração é outra.
Teu oxigênio é outro.
Podes não saber.
Tens o poder da mutação.
O labirinto é tua casa.
A luta -- ainda que silenciosa -- é tua redenção.


Nenhum comentário: