quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Antes da primavera chegar



Era inverno.
Havia um massacre no oriente.
Em São Paulo, chacinas.
No Rio, arrastões.
No rio Amazonas não há mais.
Um político mentia.
As instituições eram só versões.
Um doido foi à terapia.
Dois loucos inventaram um novo robô.
Três amigos faziam um longa-metragem.
Um calor contrariava a previsão.
Não havia heróis.
Alguns ipês floriram.
O asfalto, irregular.
Uma amante regular.
A sarjeta clama.
A tosse corta o verbo.
A febre volta.
O planeta revolta.
A terra treme, o vento destrói, o mar invade.
O fogo arde.
É tarde.
Tudo antes da primavera chegar.


Nenhum comentário: