sábado, 5 de setembro de 2015

Da morte do sonho



Nem flores, nem festa.
As cores de luto.
Morreram sonhos.
O rumo sem rumo.
O passado que não volta
e o futuro que não vem.
Afogaram os ideais
entre patentes desbastadas
e mentiras deslavadas.
Enquanto isso, 
do outro lado do muro,
dois infantes brincam de guerra.
Se tanto.


Nenhum comentário: