terça-feira, 15 de setembro de 2015

Do ato final



Desvairar, desvirar, revirar, reviver.
Ação é desejar o próprio desejo.
Há dias que não te vejo.
E assim a noite abriga palavras.
No princípio era o verbo.
E no verbete do meu dicionário
falta a página que define distância.
E na gramática da minha lição
um poema desafia a concordância.
A farsa, a comédia, a ironia e o improviso
fazem teatro da tábua da salvação.
Encenações retóricas.
O palco, a ribalta, o aplauso em cena aberta.
No praticável do triste cenário, nem moinho, nem gigante.
São Jorge. 
Dragão, calango e cavaleiro andante.



Nenhum comentário: