sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Provisórios



No teu lugar não dilatava a pupila.
Deixava a janela aberta para o sol.
Corria riscos, pulava o muro, procurava o longe.
No teu lugar não dormia tanto.
Fazia da manhã um dia inteiro
e depois chamava de noite todas as horas.
No teu lugar não passava o texto a limpo.
Partia pela porta da frente.
Rasgava o mapa, seguia o instinto.
No teu lugar não iria a Paris.
Arrumava a mala e partia para qualquer lugar
onde morassem amores provisórios. 

Um comentário:

Batom e poesias disse...

Nossa! Que lindo, poetinha!
Parece recado para mim que ando reclusa e dorminhoca...kkk
Bjs

Rossana