quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Do sono



A emoção vai até a janela e fecha a cortina.
O dia insatisfeito com o calendário.
A luz tem a sombra para justificar-se.
Ao longe os ruídos são semitons.
A razão busca em si o existir.
O olhar desvia para uma gravura sem cores.
As dores não se toleram ao espelho.
A verdade. A verdade dorme...

Nenhum comentário: