sábado, 24 de outubro de 2015

Dos dois lados do cérebro



Não saiba o lado esquerdo do meu cérebro
dos amores que assolam o seu vizinho do lado.
Chego a duvidar da neurônica sanidade.
O certo e o errado se digladiam em paixões.
E razões.
Quão bipolares somos nós. 
Todos nós.
Ou quase.
Um apelo mudo-surdo pela nossa salvação.
Ou não.


Nenhum comentário: