quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Dor



Quando até a lua dói.
A dor na entranha.
Estranha dor tão amiga.
Tão ausente de tão dor.
Dói por fora. Dói por dentro.
Por todos os lados da dor.
Diferente e íntima dor.
Rima de si própria, a dor própria.
E imprópria. Dói.
Demais e tamanha
que a dor é minha 
e de mais ninguém.



Nenhum comentário: