terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Dos falsos ídolos



Quantos donos da verdade
que de verdade nenhum.
Quantos guerreiros de instantes
que de distantes nenhum.
Quantos heróis de plantão
e de heroísmo nenhum.
Quantos desembargadores
e desembargo nenhum.
Quantos oradores ilustres
que de palavra nenhum.
Pouco nos resta.
Tão rasos os nossos ídolos
que líder nenhum para idolatrar.

Nenhum comentário: