domingo, 31 de janeiro de 2016

Fim de festa



A festa acabou.
A noite se arrasta.
O silêncio reprime.
Um sol de vinagre anuncia
Aurora tardia.
Um homem deprime.
Uma mulher se comprime
a outro homem, anônimos.
Uma cirurgia de prazer
e dor sem anestesia.
Parece tarde.
É cedo.
Nenhum medo foi dormir.
Nenhuma certeza despertou.


Nenhum comentário: