segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Da vaidade



O contorno dos lábios desenha anéis em Saturno.
Fazem viagens celestiais os seios astronautas.
Um big bang de glúteos invade o infinito.
Com esmaltes vermelhos arranha um sol marciano.
Cintilantes estrelas alinham dentes dentro da boca arreganhada.
Um espelho duplicou a imagem por um mapa astral.
O céu era a parte mais visível de toda essa vaidade.
Todo o mais era verdade.


Nenhum comentário: