terça-feira, 22 de março de 2016

Hipnose



Sou olhos vitrificados.
Lentes partidas da realidade.
Sou outro.
Obediente e altivo.
Morro vivo.
Perco limites.
Esqueço exemplos.
Explosão nuclear.
Retração do plausível.
Sou morno.
Alcanço o leste e abraço o oeste.
Meus pontos cardeais não são.
Linhas imaginárias regem os movimentos.
Marionete wireless.
Enquanto isso, 
na torre de comando, 
um homem brinca de deus,
transforma o rescaldo em inventário
e borra o dia com velhas tintas.
Palmas para ele.
Acordo vivo.
Acordo livre.
Ainda que tardia.



Nenhum comentário: