domingo, 8 de maio de 2016

Abstrações




De tantas maneiras imaginar.
E nunca saber.
Parece um sonho, não é.
Quisera viver, não fui.
A musa, a ordem, a verdade.
Nenhuma.
No escuro, a presença.
Quem sabe... quem soube.
No calendário, o trigésimo-segundo dia.
No relógio, a vigésima-quinta hora.
Finada esperança que não acaba.
Outra felicidade, talvez.
Abstrações e estrelas no céu.



Nenhum comentário: