quinta-feira, 2 de junho de 2016

Capitu revisitada



Ela inteira. Ela íntegra. Ela imensa.
Ela a um passo da pureza.
Ela a um toque da malícia.
Ela flutua sobre certezas.
Ela mergulha em prazeres.
Ela sempre. Ela nunca. Ela talvez.
Era Capitu. 
É mulher.



Nenhum comentário: