sábado, 16 de julho de 2016

Cárdio




Meu coração nervoso.
Minhas veias entupidas.
Meu sangue alterado.
Minha vida, minha vida.
Tomo café e analgésicos.
A estética arde meus olhos.
A pimenta fere a língua.
As concessões, a alma.
O que é de mim senão poesia?
Os joelhos se dobram.
Os sinos dobram.
Dobram as folhas de rascunho.
A primeira vez foi esquecida.
A dilatação natural.
O feto.
Nasci de um rito.
Um azul irritante pinta o céu.
Um planeta azul em órbita.
As órbitas da miopia.
Sequer o espelho enxergo...


Nenhum comentário: