quinta-feira, 7 de julho de 2016

Passo




Tantas esquinas quanto encantos.
Tantos cantos de sereias.
Pode ser cidade.
Pode ser o fundo do mar.
Ou lugar nenhum.
Talvez um estado de espírito.
Talvez um número a mais no extrato de dores.
Créditos e débitos.
Na bolsa de valores da ausência.
Queria um tango, dancei um bolero.
E na gafieira da consciência um surdo marca o compasso.
Passo.




Nenhum comentário: