sábado, 13 de agosto de 2016

Do farol




De que são feitos os arrependimentos?
Onde se forja o inevitável?
Quando é o tempo do imprevisível?
Em qual oceano mergulha o infinito?
Onde a lanterna apaga o escuro?
Por que o frio queima a cicatriz?
Procuro um farol.
O mar agita-se.
Sou incerteza e rumo.
Navego a vida.
Flutuo dores.


Nenhum comentário: