terça-feira, 30 de agosto de 2016

Geometria




Cones agudos e linhas tênues.
Escolhas e escalas.
Qual a régua da verdade?
Qual o prumo da certeza?
Formas perfeitas me assustam.
Ajustam-se perfeitamente demasiado.
Não deixam espaços.
Não respiram.
Não existem.
Formas perfeitas e geométricas.
Enquanto isso, um poema torto se arrisca.
Oblíquo e espontâneo.


Nenhum comentário: