quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Era vidro




Veias sem sangue.
Olhos vazios.
A secura do caráter.
A verdade provisória.
Um velório sem cadáver.
A negação da memória.
Cordas e nós.
Fios desencapados.
A dor do parto.
Uma cólica renal.
Cada palavra é uma morte.
Não há ressurreição.
Esperança é um espelho embaçado.
O vidro da janela trincou.
Nem é mais o anel que tu me deste...



Nenhum comentário: