terça-feira, 27 de setembro de 2016

Jornada




Quando a noite vai e o dia vem,
vem com o dia sua aflição.
Pela manhã desfiam lembranças de sonhos
-- bons, ruins.
Pela manhã o sabor de café e de pasta de dentes
se misturam.
Pela manhã o cheiro de terra molhada traz orvalhos.
Sobe o sol pelo ralo da tarde.
O sangue jorra pelo horizonte.
Pela peneira celeste vêm estrelas.
Quando o dia vai e a noite vem, 
vem com a noite a consolação.
Pela noite agulhas tecem o escuro manto
de concessões.
Pela noite jorram angústias e limites.
Pela noite tudo o que era real volta a ser sonho.
Uma nova jornada começa.


Nenhum comentário: