segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Outra noite




As previsões são bélicas.
A estratégia dói no gesto.
A bofetada, no passado.
A válvula aórtica, no presente.
Quem disse que o coração não grita?
Quem pensa no coração não vive.
Uns sussurros contam histórias de amor.
Umas cantigas me convencem.
Faz tempo que o tempo é outro.
Outro dia, outra era.
Outra noite.



Nenhum comentário: