terça-feira, 15 de novembro de 2016

Das aflições do dia




Das aflições do dia não saiba a noite.
Do tempo perdido com o desimportante.
Das favas contadas perdidas.
Do pranto e das pedras.
Da correria e do escorregão.
Do caráter corrompido.
Da corrupção da alma.
Dos mínimos e das migalhas.
Do retalho.
Do remendo.
Do rebotalho.
Dos destemperos e das dissimulações.
Das desídias. 
Das desditas.
Das descidas.
Do desdenho do dia não se turve a noite.

Nenhum comentário: