quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A conta-gotas



Os dias escorrem a conta-gotas.
Alguns, a fio de lágrima.
Uns tantos indiferentes.
Ontem se foi sem deixar aviso.
Nem risco de batom no espelho.
Sequer recado na porta da geladeira.
Hoje começou antes da aurora.
Os sonhos líquidos.
O amor líquido.
O sabonete líquido.
As contas chegaram.
O gás acabou.
A caravana passa.
Os cães ladram.
As notícias velhas.
O café frio.
O sorriso banguela.
Ramela nos olhos.
Ressaca na alma.
O almoço, o jantar.
Trabalhar, trabalhar, trabalhar.
Hora extra, ovo frito e sopa de feijão.
O avião que cai.
O amigo que vai.
O telejornal. 
A novela.
O filme ou o futebol.
O sono.
A chuva abre a madrugada.
O cheiro de terra.
A insônia.
A angústia.
A anemia de mais um dia.
O amanhã antes da hora da nossa morte.
Amém.

Nenhum comentário: