quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Equador de mim




Todos os alertas foram dados.
Havia sabores, havia toques.
As mãos ensinavam carinhos.
Ensaiavam as unhas romper a tecitura.
As peles de lobos e de cordeiros.
Gestos de integridade contraíam em sístoles ediástoles.
O acaso nascia com a manhã.
A verdade era sol, era lua, era estampa.
Flores eram flores.
A água jorrava em fonte.
O medo, esse desvio acidental.
Nem ele. Nem você.
A força batia no horizonte. 
Ia e voltava. E ia.
Repetições da vida.
Dança de criaturas.
Quadraturas interplanetárias.
No equador do meu planeta havia calores.
Como havia toques e sabores.

Nenhum comentário: