sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Fluido





Por vezes, o poema passa ligeiro.
Fluido. Fácil. Aéreo.
Com tal velocidade frente à janela.
Corrido, apressado, fagueiro.
Que se perde do poeta numa brisa.
Num piscar de olhos.
No átimo de um lamento sincero.

Nenhum comentário: