sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

O outro



Eu tenho medo de mim.
Eu tenho tanto medo de mim que me escondo no espelho.
Onde tudo é avesso eu tenho medo de mim.
O meu lado direito não saiba do meu lado esquerdo.
Que tem medo de mim.
O meu olho esquerdo não veja o meu olho direito.
Não encare.
Não repare.
Não escancare o medo de mim.
Eu tenho medo de mim.
Dos meus pedaços, dos meus cacos, dos meus retalhos.
De mim inteiro.
De mim intestino.
Eu tenho medo intestino de mim.
Do lado de dentro.
Da banda de fora.
Derme. Epiderme. 
Do estrato córneo. Do estrato lúcido.
E do louco.
Tamanho é o medo que eu tenho de mim.
Tamanho, que dá medo do medo.
De tal monta que se torna um arremedo.
De mim.
E assim, de medo em medo, eu me guardo.
De ti.

Nenhum comentário: