segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Da clemência



Por que me negas o delírio
com a mesma coerência
-- ou clemência --
que me pingas o colírio:
meus olhos nublam
minhas mãos tremem
e a alma vaga
entre a insanidade de perder-te
e o ter a ti insanamente.


Nenhum comentário: