quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Entreato




É quando eu me entrego ao chão
e encontro seus pés, mulher,
e beijo a pele que a liga à mãe-Terra.
É nesse entreato que se colam
a sua, a minha, toda a vida.
É no arrepio ou nas cócegas
onde moram o prazer e o riso.
É na procura ou no gesto
quando queimam o desejo e a fusão.
É no silêncio ou na música
que entoam o gemido e a palavra.
É no encanto ou no encontro
de quem faz amor com gosto de mel.

Nenhum comentário: