quarta-feira, 1 de março de 2017

Dos guardados




Onde estão os guardados da emoção?
Qual escaninho preservo dias, deuses, domus.
Há pouco espaço à surpresa.
De encontros e de desejos.
De dívidas e de dúvidas.
De achados e de perdidos.
Há pouco tempo a respirar. 
Quis uma pneumonia nos absolver.
Ou absorver?
Absolutamente.
Há pouco café na xícara.
Era uma vez uma história.
Era uma vez um poema.
Era uma vez um amor.
Há pouca verdade na estante.
Entre prateleiras cheias e homens vazios,
resta a pergunta impoluta.
Onde estão os guardados da emoção?




Nenhum comentário: