quinta-feira, 6 de abril de 2017

A poesia encravada




Feito unha.
A poesia encravou.
Rasgou a pele.
Transpassou a derme.
Alcançou o músculo.
Tocou os nervos.
Arrancou sangue.
E nem assim jorrou.




Nenhum comentário: