quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Da poesia




No último quartel do dia.
Quando onde nada existia.
Roubaram o que havia.
Tornaram oca e vazia.
A esperança vadia.
Da farsa democracia.
Apartada ousadia.
Vão encher o rabo de azia. 



Nenhum comentário: